2017 - Supremo Conselho do Brasil - REEA

HISTÓRIA

O Supremo Conselho do Brasil para o R.'.E.'.A.'.A.'. 

O Supremo Conselho do Brasil para o Rito Escocês Antigo e Aceito é uma entidade maçônica filosófico-litúrgica, autônoma e independente, tendo como finalidade congregar os maçons e superintender as corporações que agregam os graus superiores, ou seja, do 4º ao 33º do Rito Escocês Antigo e Aceito, no Brasil, tendo como base os princípios fundadores da Maçonaria Universal, bem como as diversas correntes de pensamento da tradição maçônica, alicerçados e regido pela Grande Constituição (Universal) de 1786 acrescida pelas deliberações ou manifestos do Congresso de Lausane realizado de 06 a 22 de setembro de 1875, pelo regimento Geral de 1762, Estatuto Social,  Regulamento Geral, decretos e leis emanados pelo Supremo Conselho.

 

    Os Supremos Conselhos dividem-se ou constituem-se em jurisdições territoriais independentes e soberanas, cada uma administrada por um Alto Corpo composto por 09 ou 33 membros portadores do 33º e último grau do Rito, escolhidos através de votação, dentre os irmãos devidamente habilitados. É interessante dizer, que o Rito Escocês como o conhecemos atualmente, é fruto da junção de vários sistemas escoceses, que convergiram inicialmente para um sistema de 25 graus denominado de Heredon e deste para o sistema de 33 graus como o conhecemos atualmente.


    O primeiro Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito do mundo, foi fundado em 1801, em Charleston, na Carolina do Sul, Estados Unidos da América, por irmãos originários da França. Em 04 de dezembro de 1802 deu-se conhecimento ao mundo maçônico da criação deste Supremo Conselho-Mãe.  Alguns irmãos retornaram à França, (conde de Grasse-Tilly e outros) onde foi fundado o segundo Supremo Conselho, em 1804. 

   

    No Brasil existem diversos Supremos Conselhos, conforme a existência de Grandes Orientes ou Grandes Lojas, sendo o do GOB (Grande Oriente do Brasil), à CMSB (Confederação Maçônica Simbólica Brasileira) e aos Grandes Orientes Estaduais que compõem a COMAB (Confederação da Maçonaria Brasileira);

     

     Devido os Mestres Maçons de Lojas, Grandes Lojas e Grandes Orientes Independentes do Brasil não conseguem galgar os Graus Filosóficos no Supremos Conselhos elencados acima, em respeito ao primeiro Supremo Conselho fundado em 1802, foi fundado em 04 de Dezembro de 2016 o SUPREMO CONSELHO DO BRASIL PARA O RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO, em 08 de Fevereiro de 2017 da E.’.V.’. o Supremo Consejo Soberano del Grado 33º del REAA de Lá Republica de Colômbia efetuou a expedição da Carta Patente, onde somos filiados a UMSOI – Unione Massonica Di Streta Osservanza Iniziatica em 06 de Febbraio de 6017 V.’.L.’., conforme Protocolo Nº 254/SC/BR. Onde somos o único Supremo Conselho no Brasil para trabalhar nos Graus Filosóficos para os Mestres Maçons das Lojas, Grandes Lojas e Grandes Orientes Independentes.


    Os quadros dos Supremos Conselhos são compostos por irmãos pertencentes ou filiados a estas corporações simbólicas.  Frisamos que não existe um poder central a nível mundial que Comande os Supremos Conselhos, o que existem são tratados que os une em “blocos.


    Em 04 de Dezembro de 2016, já tínhamos em São Paulo um número considerável de irmãos colados nos Graus Superiores, bem como Corporações de Aperfeiçoamento, Capitulares, de Cavaleiros Kadosch e Consistório, estando pronto para que se fundasse um Supremo Conselho, com o “apadrinhamento” do Supremo Consejo Soberano del Grado 33º del REAA de Lá Republica de Colombia.  Assim sendo, com a aquiescência de todos e num clima festivo de muita fraternidade e entusiasmo, inclusive com a presença de membros do Supremo Consejo Soberano del Grado 33º del REAA de Lá Republica de Colombia, foi fundado o Supremo Conselho do Brasil para o Rito Escocês Antigo e Aceito, para que todos os Mestres Maçons de todo Território Brasileiro possam galgar os Graus Superiores da Maçonaria Universal.


    Administrativamente, o governo da Maçonaria em todo o mundo, divide-se em: Administração dos três primeiros graus (Aprendiz, Companheiro e Mestre), ditos Graus Simbólicos, por um Grão Mestre, regimentalmente eleito e a Administração dos graus Superiores, ou seja do 4º ao 33º, por um corpo de 05, 07, 09 ou 33 irmãos, entre os quais se elege um para exercer o cargo de administração e que tem a denominação de Soberano Grande Comendador.

    Os graus maçônicos seguem uma hierarquia do 1º ao 33º, que denominamos marcha iniciática, e que desenvolve sucessivamente as doutrinas da maçonaria, tanto se levando em conta seu caráter filosófico-litúrgico, como de uma espiritualidade universal, não religiosa, adogmática e livre, constituindo-se na maior escola do conhecimento e sabedoria iniciática até então conhecida.

   Sua doutrina se baseia numa declaração de princípios, cujos principais são:


- Cultuar a Deus como Princípio Criador, que denominamos Grande Arquiteto do Universo.
- Praticar uma Espiritualidade universal, livre e adogmática, permitindo a evolução de consciência do homem livre e de bons costumes.

- Procurar incessantemente a verdade que liberta o homem dos vícios impostos pela matéria.
- Viver segundo os ditames da Moral e da Honra.

- Desenvolver as virtudes ou talentos, e agir de maneira a privilegiar o bem coletivo.
- Praticar sempre a justiça com equidade. Tratar os diferentes de maneira diferente e de conformidade com suas diferenças. (E. Kant).

- Combater a intolerância e a ignorância em todas as suas vertentes e formas. (A inteligência e a Sabedoria são nossos maiores presentes, juntamente com a liberdade). Elevar o homem para torna-lo digno de sua missão. (Ser feliz e fazer a felicidade daqueles que o rodeiam e da humanidade).

- Lutar pela liberdade, repudiar todos os tipos de cerceamento da mesma.
- Não sendo uma religião ou seita, dentro de sua tolerância, respeitar todas as manifestações de religiosidade, desde que sejam livres e morais.
- Ser patriota, obedecer e defender as leis do pais, se são justas. Amar e proteger a família.
- Trabalhar incessantemente pela felicidade da humanidade e pela sua emancipação    progressiva e pacífica, com respeito ás leis universais que mantêm a harmonia da criação.

    Sendo uma organização sem conotação político-partidária, proíbe em suas reuniões discussões a este respeito, privilegiando os assuntos e deliberações apartidárias, que venham de encontro ao bem comum, à ordem, ao respeito, à paz, ao amor e à fraternidade entre os homens.

   

    Os maçons devem praticar o bem e levar sua solidariedade aos infelizes e necessitados, sem distinções, na medida de suas possibilidades, repelindo todas as manifestações de imoralidade, constrangimento, de corrupção ou de usurpação do direito natural das pessoas.

    Tendo fé na perfectibilidade do homem e crença na imortalidade. Além da imortalidade espiritual, pergunta: Qual será seu legado, qual será seu epitáfio. Viva de tal maneira que não seja esquecido após a “partida”.

    Aconselhar a todos para que implementem em sua vida práticas que aperfeiçoem o ser (O Eu), que amplie o nível de consciência a planos superiores, que o torne a cada dia, um ser melhor, uma pedra mais polida para a beleza da construção do templo social, da moral e do dever. O maçom não deve se esquecer que a maçonaria irá para onde os iniciados a levarem e que este local deverá ter o respeito dos homens, para ser justo e perfeito.

 

Sob∴ Gr∴ Com∴ Sob∴ Ir∴ José Ronaldo Gonçalves, 33º